terça-feira, 28 de setembro de 2010

Visita Oculta - Capítulo I

Casa escura. Nenhum móvel. Só o assento da tristeza, algumas silenciosas palavras balbuciadas e o café da solidão. Tomado gota a gota. Uma lágrima cai ao ouvir uma doce voz chamando do portão. "Não é possível! - pensa a moça - Será ele mesmo?" De um súbito ela se levanta como se um pequeno raio de esperança despontasse em seu sofrido coração.

Ele não tinha feito muita coisa. Falou apenas uma palavra. Mas era a que ela precisava ouvir. Era o seu nome. "Ele sabe o meu nome!" - compartilha a mente com o coração, fazendo-o vibrar.

Ao chegar à beirada da porta, ela olha em direção ao portão e, procurando-o para além da escura noite, seu olhar se esbarra no dele. Ela paralisa. Ele a olha por dentro, como se seus olhos pudessem penetrar o interior das suas pupilas e ver o que ninguém se preocupa em olhar. Naquele breve momento, antes do próximo piscar de olhos, ele lê a sua alma.

Quebrando o silêncio daquele precioso momento, ela ousa perguntar:
- É você?
- Claro, ouvi quando você me chamou. - responde ele prontamente.
- Então, é verdade! Você me ouve! E ainda sabe o meu nome!- constata perplexa.
- Muito antes de você saber o meu. - ele responde sorrindo. Vai me deixar aqui? - pergunta ainda com o humor estampado no rosto.
- Me desculpe, é que você me pegou de surpresa..
- Mas foi você mesma quem me chamou! Achei que estivesse me esperando. Vim o mais rápido que pude.
- Ah, é verdade.. mas, sinceramente, não imaginei que viesse. Bom, não vou te deixar aí fora. Por favor, entra. Mas..
- Algum problema, Nah?
- É que a casa tá escura e suja já faz um tempão e eu não tenho tido tempo..
- Você quer dizer forças..
- É.. forças, vontade de limpar. E.. você já deve saber.. não tenho nenhum móvel, nem pra você sentar.
- Não se preocupe com isso. Eu já sabia, e não vim mesmo assim? E quanto aos móveis.. você esqueceu que eu sou carpinteiro? - a visita pergunta com um sorriso de canto de boca.

Ela sorri de volta e só agora ela percebe que, desde que ele entrou, a escuridão se foi.

6 comentários:

Fernanda G. disse...

eeeeeeeeeeeeeeita pega!

cadê o capítulo 2? =D

Graziê disse...

"Ela sorri de volta e só agora ela percebe que, desde que ele entrou, a escuridão se foi."

Tem vezes que a gente nem nota como Ele ilumina tanto! ;)

Eu não sabia que vc escrevia Nah!
E nem que escrevia tão bem!

Agora vou fazer visinhas constantes! xD

:**

Tainá disse...

Fique à vontade, Grazi! Vc é mais que bem-vinda, meu bem.
Beijo!

Anônimo disse...

Ai, Nah! Que lindo... vim ver o seu blog em boa hora =D

Mil

Martins disse...

parte favorita:

"- Então, é verdade! Você me ouve! E ainda sabe o meu nome!- constata perplexa.
- Muito antes de você saber o meu. "

:*

Thyt@ disse...

Ameiiiii...Nahh..alémm de tia contagiante de meap...é escritoraa..e uma excelente escritora...diga-se de passagem..adoreii!!